Ginecologista Dr. Renato Nisenbaum | Por que consultar um ginecologista ao escolher um anticoncepcional?

Blog

Por que consultar um ginecologista ao escolher um anticoncepcional?

Por que consultar um ginecologista ao escolher um anticoncepcional?

 Um dos métodos mais populares para evitar uma gravidez indesejada — a pílula anticoncepcional — surgiu na década de 1960 e representou um ganho de liberdade e autonomia para as mulheres.

Ao longo dos anos, as pílulas foram aperfeiçoadas e são oferecidas hoje em outras formas de uso, que não os comprimidos, como as soluções injetáveis e os adesivos cutâneos, o DIU e o preservativo feminino.

Escolher um anticoncepcional é uma decisão da mulher, mas que deve ser sempre acompanhada por um ginecologista para evitar problemas com a eficácia do método e riscos para a saúde. E é exatamente sobre isso que vamos falar no nosso post de hoje!

Para que serve o anticoncepcional?
Como o nome sugere, o anticoncepcional tem como principal objetivo prevenir uma gravidez. Os métodos contraceptivos podem ser separados em três categorias principais:

os hormonais: usam hormônios femininos para impedir a ovulação. Nesse grupo estão as pílulas orais, as injeções, os adesivos cutâneos, os anéis vaginais, o Dispositivo Intrauterino (DIU) hormonal e o implante hormonal;

os métodos de barreira: impedem que o espermatozoide chegue ao óvulo. É o caso do DIU de cobre, das esponjas e espermicidas, do preservativo masculino e feminino.

Cirúrgico ou laqueadura tubária: um método permanente e definitivo, quando é feito o corte ou a ligadura das trompas de Falópio — o canal de passagem do óvulo fecundado para o útero.

Aviso importante: nenhum método contraceptivo é 100% eficaz, mas a maioria garante mais de 99% de eficácia, se usados corretamente.

Apenas o preservativo (camisinha) protege contra as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e deve ser utilizado em todas as relações sexuais.

Por que consultar o ginecologista para escolher um anticoncepcional?
Confira 5 razões pelas quais você deve consultar o ginecologista antes de escolher o anticoncepcional.

1. Avaliar o melhor método para seu caso
Há muitos métodos contraceptivos disponíveis. Porém, nem sempre aquele que funciona bem para uma mulher é o ideal para outra.

O ginecologista deverá fazer uma avaliação sobre seu histórico médico, sua rotina, hábitos de vida e seu objetivo em relação ao uso do contraceptivo para ajudá-la a escolher o melhor método.

Uma mulher com dificuldades para se lembrar de tomar um comprimido no mesmo horário, todos os dias, provavelmente, não vai se adaptar às pílulas orais e será preciso pesquisar uma outra opção.

2. Indicar o anticoncepcional adequado ao seu histórico médico
Algumas mulheres não podem usar anticoncepcionais hormonais por questões de saúde — trombose, uso controlado de medicamento anticonvulsivante e histórico de câncer de mama precoce na família são algumas razões que impedem o uso desses medicamentos.

Nesses casos, o ginecologista vai indicar o melhor método não hormonal para atender às necessidades da paciente, sem colocar sua saúde em risco.

3. Trocar corretamente o contraceptivo
O médico vai orientá-la sobre a forma correta de fazer a transição de um método para outro, sem comprometer a eficácia do contraceptivo.

Ao fazer a troca de anticoncepcional, um dos grandes erros das mulheres é não usar um segundo recurso de segurança, a camisinha.

Há um período de adaptação do corpo ao novo medicamento, o que torna sua eficácia reduzida nesse meio tempo.

A pausa tem o mesmo efeito e só deve ser feita quando você desejar engravidar.

4. Tratar outras condições de saúde da mulher
Além de evitar a gravidez, os contraceptivos hormonais são usados para tratar outras questões da saúde reprodutiva e fertilidade feminina.

Eles podem ser indicados para controlar a TPM, acne e sangramento irregular. Também são utilizados para o tratamento de algumas doenças, como a endometriose, a síndrome do ovário policístico, entre outras condições.

5. Retomar o uso de contraceptivo no pós-parto
Após o parto — e durante uma fase da amamentação — a mulher não menstrua. Porém, como não é possível saber quando ela voltará a ovular, a recomendação é retomar o uso de contraceptivo.

O médico vai indicar um contraceptivo adequado para o período de amamentação e que não trará prejuízos à saúde do bebê. Geralmente, é receitada a minipílula, que tem apenas a progesterona em sua composição e é de uso contínuo. 

 

Fonte: Dr. Consulta



Contate-nos pelo whatsapp!
Copyrights © 2020: Clínica Dr. Renato Nisenbaum - Todos os direitos reservados
site desenvolvido pela Vioti Comunicação